Organização das Férias | Verão, viagens e um bebé!

Organização das Férias | Verão, viagens e um bebé!

Pela primeira vez fazemos férias típicas de Verão! Praia, piscina e chinelo no pé.

Ugh, nunca gostei deste tipo de férias, nunca foi o meu género. Eu queria era andar a tchilar na cidade, ver multidões, metrópoles e, se desse, fazer umas compritas.

MAS!

 

O que nunca me tinha ocorrido é que eu sempre vivi num sítio brindado por belas praias a 10 minutos de carro, onde o ritmo de vida é calmo *pasmaceira* e de onde sempre quis sair para ver esse mundo tão agitado e avançado!

…Até há bem pouco tempo!

Como o cansaço é imensurável e como já tive a sorte de visitar muitos destinos como os que descrevo acima, está na hora e ir apanhar sol nestas pernas cor de lula!

É a primeira vez que faço férias destas e, ainda por cima, com um bebé! Ok, depois de panicar por 5 minutos por pensar não conseguir organizar a logística, respirei fundo e pus a cabeça a trabalhar.

Coube-me a mim organizar e planear tudo o que precisamos de levar, e de ter, durante a nossa estadia nas próximas duas semanas, pelo que, o primeiro passo é ver o que temos em casa em vez de correr para a rua para comprar coisas para levar.

Noutras alturas, terias comprado uma data de trapos e coisas de praia só porque sim, mas como continuo a moderar o consumismo e a dar o máximo uso ao que já tenho, não comprei nada. Nem o bikini de cintura alta que eu queria. Para quê se tenho ali um perfeitamente funcional?

Para o Mr. pouca coisa foi precisa também, e para o César também não comprei nada. Tudo o que temos em casa serve para levar e utilizar perfeitamente por algum tempo:

  • Fraldas
  • Fraldas para a água
  • Toalhitas
  • Protetor solar
  • Creme hidratante
  • Roupa de banho
  • Chinelos/ sandálias

A única coisa que precisei mesmo de comprar foram toalhas de praia que aqui os citadinos não tinham!

Fora tudo isto, o que me andava a moer o juízo a sério era a comida do César. Como sabem, ele tem 11 meses e no que diz respeito a sólidos, vai picando sem grande interesse, o que torna esta coisa toda menos fácil. Não quero andar a pedir para lhe fazerem sopas em sítios que não conheço porque não só me arrisco a ter uma sopa insípida, como a ser obrigada a dar ao miúdo a mesma coisa todos os dias. Comida de boião também estava fora de questão porque ele detesta, e eu também não me estou a ver a dar comida embalada todos os dias.

Posto isto, e como só os primeiros 4 dias é que serão mais desafiantes no que diz respeito às refeições do pequeno, decidi por-me a mexer:

20507869_1651651568210044_7027425785207272834_o.jpg

Vou levar a comida congelada!

 

É a única maneira que tenho de garantir que come bem, variado, saudável e o que precisa. Assim, pode ir picando do que é nosso, se quiser, mas se não quiser, pelo menos, está alimentado.

O resto dos preparativos passa apenas por lavar roupa, arrumar e limpar a casa a fundo (porque eu gosto de chegar a casa e tê-la num brinco) lavar as forras do carrinho, lavar o mei tai, e fazer as malas!

 

A ver se é desta que descanso :p!

 

Boas férias ❤

 

A*

 

 

Mãe & Bebé | A minha experiencia com o Babywearing

Mãe & Bebé | A minha experiencia com o Babywearing

Mesmo antes de nascer o pequeno, sabia que queria um método de transporte complementar ao tão tradicional carrinho.

Não só era costume ver familiares a carregarem os seus bebés, como também havia de ter em conta o facto de viver numa cidade grande, sem carro, onde certamente teria de desenvencilhar-me facilmente em metros, autocarros e o diabo a 7!

Deparei-me então com o vasto (vastíssimo!) e bonito mundo do Babywearing! Convenhamos, isto não é nada de novo, muito pelo contrário, antes das modernices dos carrinhos já as mulheres carregavam as suas crias, quer ao peito, quer às costas. Algo que ainda se vê em muitos países Africanos e Asiáticos, permite ás mães continuarem com os seus trabalhos e vida quotidiana enquanto levam os seus bebés “ao colo”!

Pois é, isto era mesmo que eu precisava, um kit de mãos livres que, ainda assim, deixa-me ter o rebento bem juntinho a mim.

Quando me decidi começar a pesquisar, vi que tinha tantas, mas tantas opções que quase logo pensei em desistir. Tinha de aprender uma série de termos novos, conhecer os modelos disponíveis e, acima de tudo, saber quais os portes ergonómicos.

A escolha de um porta-bebés deve ser cuidada, no sentido em que há que pensar na ergonomia do mesmo (para que respeite a posição natural do bebé) e no conforto para o carregador.

1c2501be87f206b9eec9e90998ca84e1hipdisplasia01699c9341e0ec6e29ab93818eebc6516ejpg

Como podem ver nas imagens acima, o bebé deve ir sentado e com os joelhos dobrados e não pendurado pela zona pélvica. Infelizmente, muitas marcas conceituadas vendem marsúpios não ergonómicos pois deixam a cria pendurada e de costas rectas, quando o que se pretende é um painel flexível que respeite a curvatura natural da coluna do bebé.

Posto isto, optei por um carregador ergonómico, flexível e fácil de usar : o Mei Tai.

O Mei Tai é um modelo asiático que permite qualquer pessoa, independentemente da sua estatura, carregar o bebé. É composto por um painel flexível e 4 tiras que servem para amarrar na cintura e nas costas.

MEITAIWEB.png

Posso afirmar que esta é a forma mais cómoda que tenho de transportar o César e, arrisco dizer, a que ele mais gosta. Vai ao colo, quentinho, a ver tudo e acaba sempre por adormecer.

Comprei o meu aqui !

IMG_20161028_121513.jpg

Por aí também carregam os vossos rebentos?

 

A*

 

O que tenho na Mala do bebé.

O que tenho na Mala do bebé.

Nunca na vida me questionei o que iria dentro da tão necessária mala do bebé!

Acho que a única coisa que sabia que tinha de incluir eram fraldas, porque o resto era um mistério.

Hoje partilho convosco os artigos que trago na mala do César, sendo que algumas coisas podem variar consoante a saída.

 

Fraldas: Normalmente levo sempre 4 comigo, mesmo se a saída for durante todo o dia chega perfeitamente.

Toalhitas: Servem paraa tudo!

Creme para o rabinho: Mantenho sempre um creme em tamanho viagem ou amostra na mala e só serve para quando estamos fora de casa.

Soro Fisiológico: Dá sempre jeito ter soro quando temos um bebé. Serve para limpar o nariz, um arranhão ou qualquer outra coisa que precisem.

Gel limpeza de mãos: Como andamos na rua, não é fácil manter as mãos limpas devidamente, por isso este gel é indispensável para mim.

Fralda de Pano: Para tapar o bebé, limpá-lo, forrar a superficie onde tenhamos de colocar o bebé, por alguma razão…1001 utilizções

Babete Extra: Porque os babetes sujam-se e molham-se num piscar de olhos.

Tapete impermeável: Para as mudas das fraldas.

 

 

Estes são os artigos básicos que andam sempre comigo. Posso acrescentar roupa caso passemos mais tempo fora e haja alguma explosão de cocó ou um dilúvio de xixi :p

 

E vocês o que levam na mala dos vossos bebés?

 

Á*