Amamentação | A minha experiência.

Amamentação | A minha experiência.

Já antes do nascimento do César sabia que ia querer amamentar. Era um assunto completamente desconhecido para mim e apenas sabia que havia algumas mulheres que – supostamente – não tinham leite. Dizia frequentemente, quase em tom de prece: Espero ter leite!

Descobri mais tarde, após muita pesquisa, que sim, todas temos leite. Pode ser que algumas mulheres precisem de mais estímulo ou tempo para conseguir fazê-lo aparecer, mas ele está lá.

Confesso que, inicialmente, vi a amamentação como uma opção algo egoísta, no sentido em que, seria uma forma prática e económica de alimentar o meu filho. Tudo isto não deixa de ser verdade, contudo, existem inúmeros benefícios para a saúde do bebé (e da mãe também) e, rapidamente, comecei a informar-me sobre o assunto e a saber que iria fazer de tudo para conseguir amamentar o meu filho o máximo de tempo possível.

O início não é fácil!

 Não acho que tenha sofrido muito comparado com os testemunhos de coragem e perseverança que vou vendo por aí mas foram 3 semanas de muita dor e sensação de que os meus mamilos iriam cair a qualquer momento.

Como o César mamava muito, muito, MUUUUUIIIITOOO (e continua, apesar de já fazer pausas um pouco maiores) sobrou-me bastante tempo não só para me habituar ás dores, assim como ler tudo aquilo que podia sobre amamentação!

Com o tempo, as dores foram desaparecendo e dar de mamar passou a fazer parte da minha rotina como algo natural e muito gratificante.

Não me tornei fundamentalista da amamentação e acho que a mãe que decide dar fórmula ao seu filho não é menos mãe mas, infelizmente, dá para ver que muitas mães são mal informadas e persuadidas a dar leite de lata aos seus bebés à primeira dificuldade. Atenção, não estou a dizer que são fracas, ou que desistem à primeira, o que quero dizer é que, em momentos de dificuldade, procurem alguém especializado no assunto, ou outros profissionais de saúde pró-amamentação. Na maior parte das vezes as mães precisam de apoio e confiança nelas mesmas.

Nada de dar ouvidas a bitaites tipo:

O teu leite é fraco!

A criança ficou com fome!

Tens pouco leite!

Repito: não estou a condenar (até porque nem tenho direito de o fazer) a mãe que decide dar LA, apenas digo que quem quiser mesmo dar mama, procure ajuda. Se no fim não estiverem para sofrer mais e ficarem ansiosas, pois venha de lá a lata! Mas que seja por vossa própria iniciativa e não conselhos alheios de pessoas que, provavelmente, sabem pouco sobre o que estão a dizer! A minha máxima desde que me tornei mãe é: mamã feliz, bebé feliz, por isso, a decisão é vossa, seja ela qual for.

Até agora estou a conseguir amamentar em exclusivo e em LIVRE DEMANDA (esqueçam o relógio) e, ainda que tenha havido momentos em que pensei seriamente se isto seria uma situação viável porque passava o dia inteiro a dar mama ao pequeno (acho que acontece a toda a mãe de primeira viagem), é algo que pretendo fazer até aos 6 meses tal como recomenda a Organização Mundial de Saúde e, após esse marco, continuar até aos 2 anos, pelo menos.

Aguardam-me ainda muitos desafios mas esperemos que a amamentação continue a ser um sucesso!

 

Se estão a passar por esta fase ou prestes a, por favor, não hesitem em partilhar aqui as vossas experiências e/ ou inquietações.

 

 

A*

9 thoughts on “Amamentação | A minha experiência.

  1. Obrigada pela partilha, gosto imenso de te ler. 🙂 Mal posso esperar, que um dia destes (espero nao muito distante) possa comentar e partilhar as minhas experiencias. Até lá, vou te lendo 🙂 Beijinhos e tudo de bom,
    Rose*

    Liked by 1 person

  2. Eu também estava cheio de medo que fosse ser difícil, que o leite fosse fraco, que não tivesse leite, sei lá, todas essas coisas que nos vão dizendo e que nós achamos que deve ser assim. Até ao dia em que fui à sessão de amamentação do curso pré parto e o enfermeiro (fabuloso, conselheiro para aleitamento materno da UNICEF) disse muito directamente “Se calhar cai mal dizer isto, mas se as gatas, as porcas e as cadelas não têm leite fraco, as mulheres também não”. Fiz aleitamento exclusivo e em livre demanda até aos 6 meses e continuo a dar de mamar duas vezes por dia. Acho que uma visão real do que é o aleitamento materno não só apoia as mulheres que querem como apoia as que não querem porque lhes dá os factos e permite decidir com base nisso e não em teorias das vizinhas acerca de mamas alheias.

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s