This is Halloween!

This is Halloween!

Datas como o Halloween significam, essencialmente, mãos na massa!
Trocando por míudos, significa que vou andar a a desarrumar a maquilhagem toda, e a aplicar sombra preta onde *normalmente* ela não é muito bem-vinda.
Este tipo de maquilhagem não é o meu forte, mas é sempre um desafio e espero aprender e praticar bastante esta vertente.
Sentada com a artilharia toda pronta, e sem nenhuma ideia definida, sabia apenas que não queria ficar cute, nem com um look super artístico. Queria mesmo olhar-me ao espelho e pensar: … Ewwww D: !
Tenho alguma (pouquiiiinha…) dificuldade em planear e, até na maquilhagem, funciono melhor com “freestyle”. E foi assim que me surgiu esta criatura!

Halloweenmk

O processo foi bastante simples e usei apenas:

-Sombra preta
-Sombra vermelha
-Lápis vermelho
-Batom vermelho
-Base de 3 tons (aprox.) abaixo da cor da minha pele
-Pestanas postiças.

E por aí? Quais são os disfarces?

A*

Óleo de Rícino

Óleo de Rícino

Sempre gostei de cabelos compridos. Lembro-me de em miúda por uma tshirt na cabeça, presa pela gola, e saltitar pela casa fora qual Rapunzel exibindo a sua longa cabeleira.
Depois do massacre que sofreram os meus caracóis, tive começar a usar mais vitamina T (a temida tesoura!!) e, ainda que nunca tivesse feito um corte drástico, era díficil manter o cabelo comprido.
Sabia perfeitamente que tinha de me concentrar na saúde dos fios e não no comprimento, mas uma pesquisa sobre métodos de crescimento capilar não iria fazer mal a ninguém.

Eis então que descubro o óleo de rícino.

giphy
O que é/ o que faz?
Bastante popular na comunidades entusiasta do cabelo natural, o óleo de rícino é conhecido como um excelente potenciador natural de crescimento do cabelo.
Além da aceleração do crescimento, é extremamente humectante e, inclusive, é um óleo que se deve aplicar no couro cabeludo pelas suas propriedades anti-bacterianas e anti-fúngicas que permitem o tratamento e prevenção de infecções no escalpe. Ajuda também a tratar o couro cabeludo seco, evitando aquelas lascas de pele nada giras que ficam na cabeça.

Aplicação
De textura extremamente espessa e viscosa, o óleo de rícino pode ser de dificil aplicação mas, para facilitar o processo, deve humdecer-se o cabelo e aplicar de seguida. É conveniente que o cabelo esteja sem nós para que possa chegar a cada mílimetro.
Inicialmente, aplicava o óleo no cabelo seco mas além de ser díficil, não creio que estivesse a aproveitar o seu potencial a 100% porque os óleos não hidratam, mas sim selam a hidratação do cabelo, daí ser humectante e não hidratante.
Humedecer. Desembaraçar e aplicar.
Normalmente uso antes de lavar, deixando-o actuar durante umas horas, ou durante a noite.
Pode ser misturado com outros óleos ou máscaras, sejam elas caseiras ou não.

Que diferenças notei?
Confesso que não andei a contar quantos centímetros tinha a mais depois de algumas utilizações, pelo que, em termos de comprimento não posso dizer que foi um milagre. Sim, foi uma ajuda, até porque vi que o cabelo ficava rápidamente sem corte e sabia que se devia ao uso, quase religioso, do dito óleo.
Notei que o fio engrossou exponencialmente e que, de repente, o cabelo praticamente não parte. Cai, mas não se parte em mil pedaços cada vez que se lhe faz alguma coisa.
Depois de tanto descolorante, calor excessivo, tintas (que continuo a usar) e sabe deus mais o quê, o óleo de rícino tem ajudado muito na recuperação da minha juba.

Outros benefícios.
– Ajuda a tratar o acne, a minimizar cicatrizes e estrias e pele seca/irritada.
– Tal como no cabelo, estimula o crescimento e fortalecimento das pestanas e sobrancelhas. (E sobre essas amigas, as sobrancelhas, virá outro post. Ai.)

Onde comprar?
Normalmente compro online, seja no ebay ou na amazon mas podem encontrar em algumas lojas de produtos de cabelo, produtos naturais, ou mini mercados Indianos.

Já usaram? O que acharam?

A*

Intro

Intro

Após muita indecisão e tentativas falhadas de definir o que queria fazer, finalmente, volto à blogoesfera!
Não sou nova nestas andanças, ainda que, todos os meus blogues anteriores tenham tido um registo bastante diferente daquele que pretendo seguir com o It’s Ella, por isso, estou prestes a estrear-me num caminho que tenho vindo a investigar há bastante tempo.
Este blog servirá para partilhar (e também aprender) conteúdo sobre temas que me são chegados e sobre os quais tenho vindo a desenvolver alguns conhecimentos ao longo dos anos. Maioritariamente falarei sobre as minhas experiências e o que me tem sido útil, sendo que, se for útil para mais alguém, o meu objectivo foi cumprido.

Espero que gostem deste espaço e que o possam partilhar comigo comentando, fazendo sugestões e partilhando com os vossos amigos!

Obrigada e vemo-nos por aqui 🙂

Estilo

Estilo

Sempre achei que uma das melhores formas de manifestar a nossa liberdade de expressão e a nossa individualidade é a forma como nos vestimos.
Tenho longas histórias acerca deste assunto e uma luta intensa em desmentir mitos, preconceitos e estereótipos. Ainda assim, há sempre uma mensagem a passar.
Sou apologista da expressão individual sem límites, do bem estar próprio e da aceitação dos nossos conceitos de beleza, dentro ou fora dos padrões impostos. Há tendências que sigo porque gosto, mas também gosto de coisas démodé.
Hoje em dia, sou uma mistura de tudo aquilo que já vesti e consigo encontrar inspiração num leque muito mais alargado de estilos que há 10 anos atrás.
Sou a rapariga dos brincos de velha, sempre vestida com as mesmas cores (ou falta delas) e que gosta muito pouco de calças de ganga.

Maquilhagem

Maquilhagem

Desde o dia em que me pintei com o batom da minha mãe e saí pela casa a distribuir beijos vermelhos pelas paredes (sim, aconteceu) soube que a maquilhagem teria um papel importante na minha vida.

Podia começar já aqui a dismistificar conceitos, mas não, vou focar-me na minha visão e experiência no que diz respeito ao assunto.

Desde o panda style make-up nos primórdios da gotiquisse, até à aprendizagem de técnicas de maquilhagem profissional, já passei por várias fases e com todas elas aprendi algo novo.

Adoro transformações, estética extrema, pouco convencional e a maquilhagem permite-me explorar isso sem limites, em mim e nos outros.
Esta secção do blog servirá para mostrar dicas, opiniões, experiências e projectos que tenha como maquilhadora.

Não vou ditar regras, e sim adaptar os conselhos ao que se pretende, quer seja um look natural ou drag, ou qualquer outra coisa!

“Life is too short to spend hoping that the perfectly arched eyebrow or hottest new lip shade will mask an ugly heart.”
– Kevyn Aucoin.

Cozinha

Cozinha

Assim como na maquilhagem, gosto de explorar a minha criatividade e na cozinha acontece o mesmo.
Desde que me comprometi a tentar ser um pouco mais consciente da minha saúde e daquilo que como, que tenho vindo a descobrir todo um mundo de cozinha mais saudável e amiga da minha saúde. Não posso dizer que sou uma health freak, até porque ainda mantenho alguns hábitos que sei que são prejudiciais mas tento, pelo menos na cozinha, fazer com que a maioria dos hábitos sejam bons e não maus.

Aprendi a cozinhar de repente, e não me lembro de na ter altura ter grande interesse por isso. Tinha de ser e quando dei por mim estava a frente do fogão, sem problemas. Com o tempo fui começando a gostar de fazer comida e sinto-me num laboratório sempre que me ponho com receitas novas.

Gosto de tudo o que faz mal, é verdade, mas como não sou só “comedora” cá em casa, e sou também a cozinheira-mor, é muito mais desafiante (e benéfico) explorar as alternativas saudáveis que entupir as veias de batatas fritas todos os dias.

Venho partilhar convosco o que se come por aqui e como o faço.

Bom apetite!

Caracóis, Cachos e Cabelo Natural.

Caracóis, Cachos e Cabelo Natural.

Há tantas coisas que se podem dizer relativamente a este tema que é difícil saber por onde começar.

O cabelo é uma parte muito importante na identidade estética de uma pessoa e, muitas vezes, é o centro da imagem que se quer passar.
Como acontece com a maioria dos padrões de beleza que nos são impostos pela sociedade, o cabelo também passa por isso. Comprimento, estilo, cor e textura, tudo tem uma norma. O “bonito” e o “bom” têm uma definição que, por sua vez, não define toda a variedade de fios de cabelo existentes nos seres humanos.
Eu mesma, em tempos, fui culpada por repudiar o meu cabelo encaracolado, seco, cheio de frizz e indomável. Achava que o “bom” cabelo era um cabelo liso, sedoso que me caísse em cascata pelas costas, sem precisar de grande manutenção. Estava convencida que o meu cabelo era mau, ainda que a minha mãe dissesse que tinha uma boa cabeleira, eu achava que não e sonhava em um dia acordar e não ter mais caracóis.
Durante a minha adolescência e, até aos princípios dos 20, achei que o cabelo liso tinha mais a ver comigo e com o meu estilo e que caracóis não eram para mim. Nem sequer gostava de ver, dava-me um ar desleixado, pensava eu. Depois de dominar a arte de alisar as ondas, estive anos sem ver o meu cabelo natural. Estava super feliz, finalmente, posso cortar o cabelo para usá-lo liso!

Até ao dia. Até ao dia que ele estava tão frito (ok, eu abusei) que ficava horrível de qualquer maneira. Agora sim, tinha um cabelo mau, sem brilho, nem liso nem encaracolado. Se fosse hoje, provavelmente, te-lo-ia rapado e começado do zero!

Felizmente (porque agora posso partilhar tudo!!), não foi isso que aconteceu e nos últimos 2 anos e meio tenho me dedicado a ressuscitar a minha juba, a aceitá-la e a amá-la como ela é. Continuo a minha pesquisa de como tratar os caracóis e esta secção serve ajudar e inspirar para todas essas cabeças encaracoladas em despesero!
Receitas caseiras, tratamentos e cuidados diários, finalização e produtos, venho partilhar tudo convosco e espero, do fundo do coração, poder ajudar porque, bem sei que no início não é fácil.

Assumam os naturais, são lindos como são!

 

 
Nota: Não acredito nem aceito ditaduras de moda, nem regras que definam como cada um se apresenta, por isso, a questão do cabelo natural não é excepção. Quem prefere usar o cabelo liso ou com química porque se sente melhor, tem todo o meu apoio. Não quero impor a ninguém a ideia de que *tem de* assumir o cabelo natural. Não. Tens de andar como preferes e sou a primeira pessoa a defender isso.